top of page
  • Dra Geórgia Fonseca

O Sistema de Defesa da Criança após o Primeiro Ano de Vida


Do nascimento até próximo dos 2 anos a criança tem na cavidade bucal sua maior fonte de prazer. Nesse período de grande importância para o desenvolvimento infantil a criança descobre o mundo colocando tudo o que vê na boca. Contudo, junto com o aprendizado, uma grande quantidade de patógenos também é levada para o corpo.

O amadurecimento do sistema imunológico ocorre na infância e é influenciado por diversos fatores como a genética, o meio ambiente e a alimentação. O consumo adequado de vitaminas e minerais específicos para cada fase da criança é fundamental para que esse processo ocorra adequadamente.

O consumo adequado de imunonutrientes fortalece o sistema imunológico

Os nutrientes mais importantes para a adequada formação e manutenção do sistema imunológico são as vitaminas A, C e E, além dos minerais selênio, ferro e zinco.

A vitamina A atua na imunidade contra os corpos estranhos e pode auxiliar a controlar a infecção por bactérias, enquanto a vitamina E otimiza a resposta imune e reduz a ação dos radicais livres na membrana das células de defesa.

A vitamina C participa do processo de ativação e sobrevivência das células do sistema imune. Diferentemente do conhecimento popular, essa vitamina atua no fortalecimento do sistema imunológico, porém não há nenhuma evidência científica consistente que justifique o consumo de vitamina C para a cura de gripes e resfriados.

O selênio é um mineral que aumenta a resistência do sistema imunológico. Dentre suas diversas funções, aumenta a proliferação das células de defesa, melhora a capacidade do organismo de neutralizar os vírus e bactérias e tem ação antioxidante.

O zinco é essencial para o funcionamento de algumas enzimas que aceleram o sistema imune e o ferro atua na proteção contra microrganismos por meio da resposta adaptativa e inata.

Importância do aleitamento materno e dos alimentos fortificados

Já é consenso que o aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida e a manutenção da amamentação de forma complementar até os dois anos de idade ou mais é de extrema importância para a saúde da criança, conforme as recomendações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Pediatria.

O prolongamento do aleitamento materno traz benefício adicional no final do primeiro e segundo anos de vida, uma vez que há contínua oferta de imunonutrientes e prebióticos, nutrientes que estimulam a microbiota intestinal e, por consequência, melhoram a imunidade.

Comumente, crianças desmamadas começam a consumir leite de vaca in natura a partir do primeiro ano de vida completo, quando o organismo já está preparado para receber esse alimento. Contudo, apesar de rico em cálcio, o leite de vaca in natura contém baixo teor de ferro e outros imunonutrientes.

Tem sido bastante discutido na literatura científica a relação entre o consumo de leite de vaca in natura em crianças menores de 5 anos e a alta prevalência de anemia por falta de ferro (anemia ferropriva). Alguns autores tem recomendado o consumo de leite modificado enriquecido com ferro para reduzir as chances de desenvolver essa doença tão comum na infância. Em crianças, a anemia ferropriva pode afetar o crescimento, a aprendizagem e aumentar a predisposição a infecções.

Para crianças que não são amamentadas e com idade superior a 1 ano, postergar o consumo de leite de vaca in natura e introduzir leite modificado e fortificado com imunonutrientes também é uma boa alternativa para facilitar o amadurecimento do sistema imune da criança.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Brasília/DF: Ministério da Saúde, 2010.

Cozzolino SMF. Biodisponibilidade de nutrientes. 3ª ed atual. e ampl. Barueri, SP: Manoele, 2009.

Cunningham-Rundles S, McNeeley DF, Moon A. Mechanisms of nutriente modulation of the imune response. J Allergy Clin Immunol, 115: 1119-28, 20005.

El Beitune P, Duarte G, de Morais EM, Quintana SM, Vannucchi H. Vitamin A deficiency and clinical associations: a review. Arch Latinoam Nutr, 53: 355-63, 2003.

Ferencik M, Ebringer L. Modulatory effects os selenium and zinco n the imune system. Folia Microbiol, 48: 417-26, 2003.

Forceville X. Seleno-enzymes and seleno compounds: the two faces of sellenium. Critical Care, 10 (6): 180-2, 2006.

Fraker PJ, King LE, Laakoo T, Vollmer TL. The dynamics link between the integrity of the imune systen and zync status. J Nutr, 130: 1399S-406S, 2000.

Levy-Costa RB, Monteiro CA. Consumo de leite de vaca e anemia na infância no Município de São Paulo. Rev. Saúde Pública, 38 (6):797-803, 2004.

Lozoff B, Jimenez E, Smith JB. Double burden of iron deficiency in infancy and low socioeconomic status: a longitudinal analysis of cognitive test scores to age 19 years. Arch Pediatr Adolesc Med, 160: 1108-13, 2006.

Oliveira MAA, Osorio M. Consumo do leite de vaca e anemia ferropriva na infância. J. Pediatr; 81(5):361-7, 2005.

ParkOJ, KimHY, Kim YJ, Kim SH. Effect of vitamin E supplementation on antioxidante defense systems and humoral imune responses in Young, middle-aged and elderly Korean women. J Nutr Sci Vitaminol, 49:94-9, 2003.

Passanha A, Cervato-MancusoAM, Silva MEMP. Elementos protetores do leite materno na prevenção de doenças gastrintestinais e respiratórias. Rev. Bras. Crescimento Desenvolv. Hum. vol.20 no.2 São Paulo ago. 2010.

Sarni ROS, Souza FIS, Cocco RR, Mallozi MC, Solé D. Micronutrientes e sistema imunológico. Rev. bras. alerg. imunopatol. 33 (1): 8-13, 2010.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. Manual de orientação para alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia, 3ª edição, 2012.

World Health Organization. The optimal duration of exclusive breastfeeding: report of an expert consultation. Available at: http://www.who.int/nutrition/publications/optimal_duration_of_exc_bfeeding_report_eng.pdf . Accessed março,2013.

bottom of page