top of page
  • Dra Geórgia Fonseca

Seu filho é Lycopodium?


Seu Filho é Lycopodium?

Sempre digo aos meus alunos que explorar as características mentais dos medicamentos homeopáticos e estudar com afinco as várias Matérias Médicas ( Puras, Semi-puras e Clínicas) nos ajuda imensamente a formar um retrato da psicologia do medicamento e a identificá-lo quase imediatamente durante as consultas, tanto pela tomada do caso como pela observação do paciente. Costumo observar muito o brincar e o agir das crianças enquanto os pais estão descrevendo o caso. Tenho brinquedos e livros no consultório estrategicamente colocados para esta observação. Então vou começar a descrever as características de algumas crianças, como faço para meus alunos médicos da formação, para que vocês possam ter uma idéia do pensamento associativo do homeopata durante uma consulta.

Há mais de 2000 medicamentos homeopáticos catalogados e pesquisados exaustivamente. Cada um destes medicamentos são escolhidos sim, segundo os sintomas clínicos que o paciente apresenta. Mas o que poucos sabem é que o homeopata os escolhe também devido às características mentais, ao comportamento e também aos sintomas característicos ou peculiares daquele paciente.

Deste modo veremos um paciente Lycopodium Clavatum: ( Vou focar nas crianças porque a descrição dos sintomas mentais é extensa):

Primeiro vamos ver o que é o Lycopodium. Ele é uma planta ancestral, do período siluriano, e tem 400 milhões de anos! Era um vegetal gigante e hoje não passa de um musgo herbáceo, subterrâneo e que se escorando para ascender não consegue chegar a mais de um metro. Esta planta perdeu a capacidade de sintetizar a clorofila e, por isto mesmo, necessita viver em simbiose. Seus esporos têm uma carapaça dura e grossa. Não absorvem a umidade. As sementes demoram a germinar e a planta a amadurecer. Então começamos a fazer sua leitura: Eu era tão grande! Agora não sou nada! Eu ascendia, eu triunfava e aparecia e agora sou fraco e insignificante! Acrescido a isto a tendência a secura, dureza e lentidão.

Então queridos eu lhes faço uma pergunta fácil: Qual o sofrimento principal da alma de uma pessoa Lycopodium?!.... Claro! ...Muito bem para quem pensou! : EU ERA GRANDE E AGORA NÃO SOU NADA - COMPLEXO DE INFERIORIDADE - SENSAÇÃO DE IMPOTÊNCIA DE DECADÊNCIA- COVARDIA. Esse é o núcleo central de seu sofrimento.

Então vemos o paciente:

. Se sentir fraco perante a vida, ou verdadeiramente ser fraco perante a vida.

. Ter pouca confiança em si e achar que não é capaz de corresponder ao que os pais esperam dele. Estar intimamente sempre se comparando com os outros.

.Porém lembremos que antes ela era grande! Ele era imponete e grandioso! Isso gera uma revolta, uma nostalgia, um inconformismo. Gera uma vontade de ser grande novamente. Mas, se o nosso pequeno Lycopodium agora é tão franzino e sem brilho, como ele fará para ser grande novamente? ...Sim! Você acertou! Ele tentará ser grande pela tirania! Ou pelo intelecto!

Então será aquela criança chorona, intransigente. O "Reizinho", o "Chefinho", que tenta direcionar tudo e todos e que, mesmo sendo tão pequeno, faz prevalecer a sua vontade em primeiro lugar!

Assim veremos que as crianças Lycopodium são magras e pálidas, muito desconfiadas e inseguras. Sempre buscam apoio dos pais e cuidadores. São mal humoradas e irritáveis. Cheias de medo por antecipação. Elas tem medo de solidão mas ao mesmo tempo não querem companhia. Gostariam de morarem sozinhas em um cômodo da casa mas sabendo que há alguém sempre por lá.

Não dão sossego até conseguirem o que desejam. Querem ganhar nos jogos. Não suportam perder e até trapaceiam para conseguirem ganhar. A vontade de liderança faz com que queiram mandar em todas as brincadeiras com os colegas. Mas há um ponto muito característico: Eles se acovardam perante os mais fortes. Assim, são aqueles que podem ser tiranos domésticos e mansos com seus chefes. Eles têm consciência intrínseca e arquetípica da sua inferioridade atual e da sua onipotência anterior, e tentam nesta vida, de todos os modos, alcançarem a robustez e o poder que perderam.

Na escola eles temem o fracasso. São os nerds que tentam a todo custo tentar prevalecer pelo intelecto já que pelo físico não são capazes de se sobrepujar a alguém. Eles tem medo do fracasso. Têm medo de mostrar que são frágeis. Têm necessidade de mostrar que podem prevalecer. Às vezes sacrificam suas horas de lazer para estudar ou trabalhar e mostrar do que são capazes. Não gostam de brincar com as outras crianças. Ficam no seu canto, zangados, arredios, mal humorados, sem interagirem com as outras crianças. Se elas caçoarem dele reagirá com violência. Competitivo, avaro, meticuloso, organizado. tenta vencer " no grito". Passa mal antes das provas porque não quer falhar. Se estiver triste se isola. porque não gosta de consolo.

O problema é quando aparece uma criança mais forte, mais bonita, ou mais capaz. Então nosso pequeno Lycopodium pode até adoecer por ciúmes e despeito. Ele sofre para não ser descoberto e assim tem ansiedade tanto ao dormir quanto ao despertar.Não quer ficar só, mas rejeita o consolo porque isto afinal é para os fracos. Então a criança tem medos mas rejeita ser confortado. Tem muitos problemas digestivos: Como posso digerir este mundo?

Essa amargura que trazem pela grandeza que lhes foi retirada nos remete também às considerações cármicas. Se antes ele era grande e poderoso, agora tem que lutar para ter seu lugar ao sol. Porém tem que travar também uma luta interna, para tentar mitigar sua fome de poder, suas tendências ditatoriais, sua intransigência. Porque um Lycopodium descontrolado pode ser capaz de atropelar quantos estiverem à sua frente para conseguir seus objetivos. E como não tem força física, o faz ditatorialmente e por seu intelecto. E poderá recair nos mesmos erros cármicos, aumentando deste modo suas dívidas perante as Leis Eternas.

É o nosso bebê chorão, intransigente, com cólicas, constipação, tendência à icterícia, com problemas com o leite, com dispepsias. Nossa criança que manda muito, até nas brincadeiras ele é o pequeno feitor. Mas se a professora briga ele guarda. Não retruca. Se acovarda. Engole e como consequência adoece.( Mas desconta em casa!) Meu jovem inseguro, arrogante. Que vive trancado no quarto. Que se abstém dos prazeres para estudar o que lhe interessa. Que não se conforma com seu corpo frágil e franzino. Que não tem confiança em si e em suas capacidades e reage a isto se mostrando superior, orgulhoso, arrogante, ditatorial. Os adultos passam a vida toda tentando resgatar a potencialidade que lhes foi roubada. Querem subir na vida. Têm fome de poder. Podem passar por cima de todos. Podem puxar o saco e bajular para conseguirem chegar lá, já que não têm peito para enfrentarem os mais fortes que ele. Assim serão meticulosos, industriosos, esforçados e bajuladores. Adeptos do vale-tudo para reconquistarem seu poder. Quantos contraventores e políticos da

a atualidade são Lycopodium?....Você o reconhece em alguém? Sim! Isto mesmo!!

Saudações homeopáticas!

Dra Geórgia Fonseca

bottom of page